Alimentação e colesterol

Estudo, publicado na revista Canadian Medical Association Journal, realizado por investigadores do Centro de Nutrição Clínica e Modificação de Fatores de Risco do Hospital St. Michael, em Toronto, Canadá, sugere que o consumo diário de uma porção de leguminosas não oleaginosas, cerca de ¾ da xícara de chá, 130 gramas, pode reduzir em 5% os níveis plasmáticos de LDL, comparando com pessoas que não consomem. Pesquisadores de centros canadenses e norte-americanos revisaram dados de 26 ensaios clínicos randomizados com 1.037 pessoas e média de 51 anos.

Os pesquisadores afirmam que também ocorreu diminuição de infartos e acidentes cardiovasculares, chegando a 6% de redução. A ingestão de leguminosas pode beneficiar outros fatores de risco, como peso corporal, pressão arterial e nível de glicose no sangue. Os homens tiveram mais redução do que as mulheres. Os cientistas acreditam que o maior benefício se dê pelos altos índices de colesterol encontrados no sexo masculino.

Este estudo reforça as diretrizes de prevenção de doenças crônicas nacionais e internacionais que orientam o consumo de leguminosas, além de verduras, legumes e frutas, como parte de uma dieta saudável. As leguminosas, como feijão, fazem bem ao organismo também pelo baixo índice glicêmico, o que significa que liberam açúcar lentamente e em menor quantidade no sangue, evitando sobrecarga glicêmica, fator que favorece o surgimento precoce de doenças cardiovasculares. Tendem ainda a reduzir ou substituir proteínas animais ricas em gorduras.

As leguminosas desempenham papel importante em dietas tradicionais, como a Mediterrânica e a sul-asiática. São alimentos de baixo custo. Alguns participantes do estudo relataram problemas de estômago, como inchaço, flatulência, diarreia ou constipação, tendo desaparecido no período de intervenção, que variou de 3 a 16 semanas. Sugere-se que futuras revisões sejam desenvolvidas para avaliar os efeitos do consumo desse alimento nos indicadores para redução das doenças cardiovasculares.

Por: Cibele Regina Laureano Gonsalves, diretora do Departamento de Nutrição da SOCESP na gestão 2014 – 2015.

Esta entrada foi publicada em Alimentação e marcada com a tag , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Uma resposta a Alimentação e colesterol

  1. Pingback: max