Inverno rigoroso pode aumentar casos de infarto

 

De acordo com especialista da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo (SOCESP), os casos de infarto e outras doenças do coração podem aumentar com as baixas temperaturas, principalmente entre os idosos, cardiopatas e pessoas que ficam expostas ao tempo, como os moradores de rua

Crédito: ©Elena Shashkina/Shutterstock

Crédito: ©Elena Shashkina/Shutterstock

Em São Paulo, o inverno chegou mais cedo. Com recordes, a temperatura média chegou à casa dos 3°C. O intenso frio aumentou os riscos dos moradores em situação de rua e outras pessoas que ficam expostas ao tempo, de desenvolverem doenças cardiovasculares. O cardiologista e diretor da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo (SOCESP) Edson Stefanini explica que, em baixas temperaturas, ocorre um aumento da atividade metabólica do organismo para ampliar a produção de calor e manter a temperatura corpórea. “Com isso, há mais esforço do trabalho do coração, o que pode desencadear descompensação de uma insuficiência cardíaca ou mesmo precipitar quadros de infarto do miocárdio ou arritmias”.

De acordo com o Censo elaborado pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), a capital paulista tem 15.905 mil moradores de rua. Segundo a prefeitura de São Paulo, existem 10 mil vagas fixas para acolhimento de moradores de rua e, emergencialmente, foram criadas 1.437, totalizando 11.437. Quase 30% dos moradores ficam desabrigados, aumentando o risco de desenvolverem diversas doenças, incluindo as cardiovasculares.

O cardiologia destaca que o consumo de alimentos quentes, como sopas, e o uso de agasalhos adequados são importantes para tentar reduzir os riscos à saúde e, especificamente, contribuem para a prevenção de doenças cardiovasculares. “Para evitar complicações, as pessoas que ficam expostas às baixas temperaturas devem manter-se agasalhadas. Além disso, o consumo de líquidos aquecidos é uma boa opção de aquecer o organismo”.

Segundo o especialista, os moradores de rua, muitas vezes idosos, já com cardiopatia ou não, às vezes abusam do álcool, com a falsa ideia de se proteger do frio, e acabam sofrendo hipotermia, com risco de morrer.

Cuidados no inverno

O especialista da SOCESP conta que no inverno os pacientes mais idosos e aqueles portadores de cardiopatias crônicas são os que têm maior possibilidade de desenvolver complicações. “As pessoas com maior propensão a doenças nesta época, como os idosos, cardiopatas e portadores de outras doenças crônicas, devem proteger-se das baixas temperaturas, agasalhando-se de maneira adequada, reduzindo a exposição ao frio, tomar os medicamentos de uso habitual e alimentar-se adequadamente. É importante destacar, também, o papel das vacinas contra gripe e pneumonia nesses pacientes, para se reduzir o risco de infecções pulmonares”.

Stefanini recomenda que as pessoas que ficam expostas ao frio e precisam trabalhar em ambientes externos, como seguranças e carteiros, dentre outros, devem manter-se bem agasalhadas, periodicamente aquecendo-se em um ambiente mais protegido, além de cuidar da alimentação e primar por um período de sono adequado.

Esta entrada foi publicada em Alimentação, Fatores de risco, Infarto, Prevenção, Sem categoria e marcada com a tag , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Os comentários estão encerrados.