Dieta mediterrânea é opção saborosa para prevenir doenças cardiovasculares

Estudo indica que culinária mediterrânea pode evitar cerca de 30% das mortes por ataque cardíaco

Os brasileiros estão cada vez mais doentes. De acordo com levantamento da Abradilan (Associação Brasileira de Distribuição e Logística de Produtos Farmacêuticos), as vendas de medicamentos atingiram faturamento de R$ 7,72 bilhões, apenas no primeiro semestre deste ano.

Dentre as doenças, sobressaem-se as cardiovasculares, principais causas de morte no mundo (17,3 milhões por ano, segundo a Organização Mundial da Saúde – OMS) e responsáveis, até setembro, por 243 mil óbitos no Brasil em 2016, conforme levantamento do Cardiômetro, indicador do número de falecimentos causados por esse fator.

comidaMediterranea

Segundo Cibele Gonsalves, nutricionista e diretora do Departamento de Nutrição da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo (SOCESP), a hipertensão arterial, as dislipidemias (alteração dos níveis de lipídeos no sangue), a obesidade e o diabetes, dentre outras doenças, flagelam a população. Ela ressalta que, dentre as maneiras de prevenir as doenças cardiovasculares, mantendo o coração saudável, além do tratamento medicamentoso, estão a adoção de bons hábitos, que incluem uma alimentação saudável e equilibrada.

“Diversas pesquisas comprovam que o consumo de gorduras mono e poli-insaturadas, além da fibra dietética, auxilia na redução da partícula de gordura mais conhecida como colesterol ruim (LDL), um dos fatores de risco para doenças cardiovasculares. Alimentos ricos em açúcar, sódio, gorduras saturadas e trans são altamente nocivos, pois aumentam os riscos do desenvolvimento da aterosclerose, devido ao acúmulo de placas de gordura nas artérias do coração e do cérebro, podendo provocar infarto e derrame. Por isso, devem ser evitados”.

A nutricionista explica que, com foco na prevenção das doenças do coração, tem-se a “dieta mediterrânea”, inspirada nos costumes das populações que vivem na Região Sul da Itália, Grécia e Espanha. Pesquisadores da Universidade de Barcelona constataram que essa dieta pode evitar cerca de 30% das mortes por ataque cardíaco, incluindo derrames e doenças cardiovasculares em geral.

“A alimentação dessa população tem pouco sal, alimentos industrializados e gordura de origem animal. Eles costumam consumir grandes quantidades de frutas frescas, verduras, legumes, peixes, oleaginosas como as nozes, cereais integrais e azeite de oliva”, ressalta a nutricionista.

A especialista afirma que, somente por meio da prevenção, é possível reduzir a morbidade e a mortalidade decorrentes das doenças cardiovasculares. “Uma dieta saudável é aquela que fornece quantidades adequadas de todos os nutrientes para o bom funcionamento do nosso organismo. Não é necessário excluir alimento algum na dieta. O importante é que as pessoas desenvolvam o raciocínio no momento de fazer suas escolhas alimentares, lembrando que não existe comida proibida. A palavra-chave é moderação”.

Prevenir é preciso. Em 2030, a estimativa da OMS é de que ocorram 23,6 milhões de mortes por doenças cardiovasculares no mundo. É como se toda a população de um país como o Chile sucumbisse totalmente.

Confira algumas dicas da nutricionista:

· Fracione as refeições: faça lanches intermediários (manhã e tarde) entre as refeições principais (café da manhã, almoço e jantar);

· Siga os conceitos do prato saudável: ao montar o prato, coloque metade com verduras e legumes e outra metade uma porção de proteína, uma porção de leguminosas (feijão, ervilha, lentilha, soja, grão-de-bico) e uma  porção de carboidrato;

· Prefira os alimentos integrais: troque o pão, o arroz e a massa pelas versões integrais;

· Para os laticínios, prefira sempre as versões sem gordura ou desnatadas. Queijos brancos contem menos gordura do que queijo prato, por exemplo;

· Cuidado com o sal e o sódio: use a mínima quantidade de sal na comida que você prepara e leia o rótulo dos alimentos prontos para verificar a quantidade de sódio;

· Evite consumir carnes gordas como picanha, pele de frango, gordura de porco e embutidos (salsicha, presunto, salame, etc.);

· Oleaginosas: apesar de todos os benefícios, esse tipo de alimento é calórico. Para aproveitar ao máximo a dica é consumir uma xícara de café com um mix (nozes, castanhas, amêndoas, avelã, etc.);

· Coma, no mínimo, três frutas por dia e consuma de quatro a cinco porções de verduras e legumes;

· Diminua o consumo de açúcar e faça substituições dos doces por frutas, como sobremesa.

Esta entrada foi publicada em Coração, Infarto e marcada com a tag , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Os comentários estão encerrados.